Procurar clareza

Os essencialistas são capazes de reconhecer que algumas coisas na vida são mais importante do que outras, removerá todos os obstáculos e terá a capacidade de eliminar tudo o que não é essencial "

Greg McKeown

Falo muitas vezes na importância de uma vida calma, sem stress. E isso significa o quê na prática? Voltarmos ao que é essencial. Já havia explorado muito esta temática quando me virei completamente para o minimalismo. Estudava os The Minimalists e o Leo Babauta. Em Portugal apenas uma ou duas pessoas falavam de minimalismo, comecei por ouvir este conceito no blogue da Rita Domingues. Mas só depois de ler o livro do Greg McKeown, Essencialismo percebi que o meu caminho passava por saber o que era mais importante.

E isso passa por saber o que é prioritário para mim. E saber o que quero. Mas isso é talvez o mais difícil. Se eu te perguntar: sabes exatamente o que queres? Talvez 90% das pessoas não sabe ao certo o que quer. Mais fácil será dizer o que não quer. Aí, de certeza, mais pessoas saberiam dar a resposta.

Ter clareza em relação ao futuro pode ser a forma mais fácil de chegarmos lá. Porque é fácil traçar objetivos quando se sabe qual é a meta final. Para onde estamos a correr. Qual é momento que queremos alcançar, certo? Mas mesmo quando não temos a certeza da profissão que queremos, da casa que queremos, do tipo de relacionamento amoroso que queremos, é possível através do que não queremos, chegarmos a porto seguro.

Não acredito que existam muitas pessoas que saibam aos 17 anos o que querem fazer para o resto da vida. Altura esta que somos "obrigados" a saber qual o curso universitário que vamos abraçar. Não é verdade também que o curso que tiramos, seja a profissão que nos vai acompanhar para sempre. Podemos sempre fazer mudanças. Mas lembro-me que na altura, o peso de não escolher "bem" caiu muito sobre mim. Sem pressões exteriores, porque os meus pais nunca me pressionaram. A pressão vinha do meu interior. Afinal, acabei por escolher uma profissão que adorei durante 13 anos.

Isto para dizer que o essencial não é saber exatamente o que se quer, mas talvez seja, estarmos abertos a todas as oportunidades, explorá-las sem enormes riscos associados e ter mente aberta para novas descobertas. Ir experimentando tudo até encontrarmos aquilo que nos dá borboletas na barriga. Aquilo que não nos deixa dormir com o entusiasmo. Aquilo que nos faz sonhar acordados. Talvez nunca se encontre esta atividade. Talvez, quando encontrares, não seja o teu trabalho diário, mas sim, uma atividade paralela. Pode ser bricolage, pode ser dança, pode ser escrita. Não importa muito. Tem é de ser importante para ti. Mesmo que não ganhes dinheiro com isso. Ganhas uma coisa mais importante: vivacidade.

Ter clareza do nosso futuro, ajuda. Mas como podemos auxiliar esta ferramenta tão importante? Como podemos "clarear" o nosso caminho?

Clareza

Clareza

O Brendon Burchard, no livro Os 6 hábitos da alta performance, afirma que para procurarmos clareza devemos visualizar os 4 futuros: pessoal, social, competências e serviço.

O futuro pessoal. Conhecer-te a ti própria, ter uma visão positiva em relação a ti própria. Se estivermos sempre num loop de auto destruição e de baixa auto estima, raramente temos vontade de aprofundar o auto conhecimento. Uma vez ouvi uma frase de uma psicóloga sobre uma paciente sua numa consulta. A paciente afirmava que não gostava de si própria. E a psicóloga respondeu-lhe: você gosta do que não conhece? Direto e certeiro, não acham? Compreende os teus valores, percebe como te vês no futuro e quem queres ser.

O social é saber exatamente como queres tratar os outros, a família, os amigos, a sociedade no geral. Quem queres ser em relação aos outros e como queres interagir. Pergunta-te como podes ser boa pessoa numa próxima situação de conflito, que tipo de atitude queres ter? Que sentimento queremos emanar aos outros. Calma ou agressividade? Rispidez ou educação? Gentileza ou indiferença? Isto também é conhecer. Porque nos faz refletir no que fizemos menos bem e queremos melhorar.

Deves também questionar-te que tipo de competências queres desenvolver para o teu futuro. Imagina o seguinte: queres ser empreendedor. Tens de escrever o que queres empreender e saber o que tens de aprender para lá chegar. Ninguém será dançarino sem aulas de dança. Ninguém será um bom orador, se nunca falar em público. Ninguém será escritor se não escrever. Simples.

Por fim, o serviço. Como é que queres servir os outros? Como queres ajudar? Como queres contribuir? Às vezes, passamos a vida à procura daquele trabalho que nos faz levantar de manhã com energia. Conheço imensas pessoas que o seu propósito de vida não é o trabalho com que ganham dinheiro. É o que fazem depois do trabalho. É voluntariado, é serem mães ou pais excelentes, é serem a melhor neta, a melhor filha. É fazerem bolos e venderem. Não importa. Como queres contribuir para um mundo melhor? Quando descobrires, sentes-te mais relevante e por isso mesmo, sentes-te melhor.

Se refletires sobre estes 4 futuros, de certeza que vais sentir mais clareza em relação ao caminho que queres percorrer. Vai ser mais fácil traçar um plano para ti, depois os objetivos e as tarefas para os alcançares. Por fim, o mais importante de tudo e o que faz realmente a diferença: AGIR. Parte para a ação e descobre-te a ti própria.